Worms

Um worm (termo da língua inglesa que significa, literalmente, “verme“) é um programa autorreplicante, diferente de um vírus. Enquanto um vírus infecta um programa e necessita deste programa hospedeiro para se alastrar, o worm é um programa completo e não precisa de outro para se propagar. Um worm pode ser projetado para tomar ações maliciosas após infestar um sistema. Além de se autorreplicar, pode deletar arquivos em um sistema ou enviar documentos por email.

A partir disso, o worm pode tornar o computador infectado vulnerável a outros ataques e provocar danos apenas com o tráfego de rede gerado pela sua reprodução – o Mydoom, por exemplo, causou uma lentidão gerada na rede de computadores mundial nos niveis mais alto de seu ataque .

Diferente dos vírus comuns, os worms podem se autorreplicar sem a necessidade de infectar arquivos legítimos, criando cópias funcionais de si mesmos. Essas características permitem que os worms se espalhem por redes de computadores e drivers USB. Alguns worms também se alastram por mensagens de e-mail, criando anexos maliciosos e os enviando para as listas de contato da conta invadida.[1]

Advertisements

Malware

O “malware“, termo do inglês “malicious software” (software nocivo ou software malicioso), é um software destinado a infiltrar-se em um sistema de computador alheio de forma ilícita, com o intuito de causar alguns danos, alterações ou roubo de informações (confidenciais ou não). Ele pode aparecer na forma de código executável, scripts de conteúdo ativo, e outros softwares. “Malware” é um termo geral utilizado para se referir a uma variedade de formas de software hostil ou intruso. O termo badwares é às vezes utilizado e confundido com softwares prejudiciais não intencionais.

Adware

Adware (do inglês ad= “anúncio”, e software = “programa”) é qualquer programa de computador que executa automaticamente e exibe uma grande quantidade deanúncios sem a permissão do usuário.[1] As funções do adware servem para analisar os locais de Internet que o usuário visita e lhe apresentar publicidade pertinente aos tipos de bens ou serviços apresentados lá.

Os adwares também são usados de forma legítima por empresas desenvolvedoras de software gratuito. Nesse caso, a instalação é opcional e suas implicações estão previstas no contrato de licença exibido durante a instalação.

O termo adware é frequentemente usado para descrever uma forma de malware (software malicioso), geralmente aquela que apresenta anúncios indesejados para o usuário de um computador. Os anúncios produzidos por adware são, por vezes, em a forma de um pop-up.

Quando o termo é usado dessa forma, a gravidade da sua implicação varia. Enquanto algumas fontes situam adware apenas como “irritante”, outros a classificam como uma “ameaça online” ou até mesmo como vírus e trojans. A definição precisa do termo neste contexto também varia. O adware que observa as atividades do usuário de computador sem o seu consentimento e enviam informações por relatórios ao autor do software é chamado spyware.

Alguns programas adware têm sido criticados porque ocasionalmente possuem instruções para captar informações pessoais e as passar para terceiros, sem a autorização ou o conhecimento do usuário e tem provocado críticas dos experts de segurança e os defensores de privacidade, incluindo o Electronic Privacy Information Center. Porém existem outros programas adware que não instalam spyware.

Existem programas destinados a ajudar o usuário na busca e modificação de programas adware, para bloquear a apresentação dos anúncios ou eliminar as partes de spyware. Para evitar uma reação negativa, com toda a indústria publicitária em geral, os criadores de adware devem equilibrar suas tentativas de gerar ingressos com o desejo do usuário de não ser molestado.

De acordo com a visão da Comissão Federal de Comércio, parece haver um consenso geral de que o software deve ser considerado spyware somente se for transferido ou instalado em um computador sem o conhecimento do usuário. No entanto, questões não resolvidas permanecem sobre como, o que e quando os consumidores precisam ser informados sobre o software instalado em seus computadores. Por exemplo, os distribuidores, muitas vezes divulgam um Acordo de Licença de Usuário Final (EULA) que não há software adicional fornecido com o software principal, mas alguns membros do painel e comentadores vêem essa divulgação como suficientes para inferir o consentimento para a instalação do software fornecido.

Programas foram desenvolvidos para detectar, colocar em quarentena e remover propagandas malware, incluindo Ad-Aware, Anti-Malware Malwarebytes, Spyware Doctor andSpybot – Search & Destroy. Além desses, quase todos os softwares antivírus comerciais podem detectar adware e spyware, ou oferecer um pacote de detecção de spywareem separado.